terça-feira, janeiro 09, 2007

Mudar... Mudar o quê?

O país perdeu a inteligência e a consciência moral. Os costumes estão dissolvidos, as consciências em debandada, os caracteres corrompidos. A prática da vida tem por única direcção a conveniência.Não há princípio que não seja desmentido. Não há instituição que não seja escarnecida.

Ninguém se respeita. Não há nenhuma solidariedade entre os cidadãos. Ninguém crê na honestidade dos homens públicos. Alguns agiotas felizes exploram. A classe média abate-se progressivamente na imbecilidade e na inércia. O povo está na miséria. Os serviços públicos são abandonados a uma rotina dormente.
[...]
O Estado é considerado na sua acção fiscal como um ladrão e tratado como um inimigo.
[...]
A certeza deste rebaixamento invadiu todas as consciência

Diz-se por toda a parte: o país está perdido!
Eça de Queirós, em 1871
(obrigado p'lo texto Paulinha!)
Agora pergunto eu:
Que raio mudou? Mudou algo?

13 comentários:

Gattaparda disse...

O drama é todos é todas os portugueses acharem que o Eça tinha toda a razão e dizia coisas formidáveis (trágicas) sobre Portugal e as suas gentes, e, continuar tudo igual. Esquecem-se que não é esfregando as mãos de volúpia com as palavras geniais ditas há mais de cem anos que deixam de ser iguais às caricaturas descritas. Esquecem-se que os/as outros/as somos todos nós.

squiddy - lula disse...

Bem dito! :D
Faço parte dessa classe média que se abate progressivamente na imbecilidade e na miséria!
Mas como me sinto feliz hoje, não vou mexer uma palhinha! hehe
Tenho é que deixar de me queixar, que a negatividade faz mal às rugas!
E tu?

Gattaparda disse...

Eu cada vez tenho mais rugas!

Ricardo Ramalho disse...

Eu ainda não tenho rugas ;)

jp disse...

Tás feliz pq tás cmg :))))
Hoje tb estou pq "ganhei" um computador de bordo Yupiiiiiiiii

Parafuso disse...

O País está perdido há muito tempo, mas continuamos a viver na melhor auto-gestão que jamais economia mundial planeou.
Como é possível, não sei explicar... talvez estes brandos costumes, e inércia acomodada seja a vacina para tal coisa, temos sempre problemas sejam financeiros ou sociais mas encontramos sempre, nem que seja hipócritamente, uma "solução" em que todas as pessoas ficam felizes e aos poucos vão esquecendo, sem manifestar o seu desagrado.
Neste aspecto sobresaí a nossa "costela" de povo desenrascado que famosos somos.

Sejamos francos enquanto funciona assim, queremos mesmo mudar?!...

Gattaparda disse...

Funciona?!

Ricardo Ramalho disse...

Para quem não pensa, se calhar até funciona... :)

Agora acho que é que todos pensamos, e por isso verificamos que não funciona por aí além... Ou não funciona de todo.

Just my 0.02€

Parafuso disse...

É obvio que não funciona, desde o 25 de Abril tornamos num povo acomodado e sem uma referência para qual devemos lutar, os quase 50 anos que tivemos fechados ao Mundo atrasou imenso a nossa Mentalidade, e começar por onde?!?
No meu entender o 1º passo devia ser na Educação, começando pelos mais jovens e re-educar muito os Pais!

Gattaparda disse...

Desde o 25 de Abril???????????
Oh Parafuso, olha lá bem para a história!
Quanto à Educação, concordo. Tudo passa pela Educação para a Cidadania.

jp disse...

Digo mais...
Desde os descobrimentos!!
e para ser bonzinho...
Desde q o Eusébio saiu do SLB !!!

xistosa disse...

Veja lá se lhe lembra alguma coisa:


" Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas; um povo em catalepsia ambulante, não se lembrando nem donde vem, nem onde está, nem para onde vai; um povo, enfim, que eu adoro, porque sofre e é bom, e guarda ainda na noite da sua inconsciência como que um lampejo misterioso da alma nacional, reflexo de astro em silêncio escuro de lagoa morta (...)
Uma burguesia, cívica e politicamente corrupta ate à medula, não descriminando já o bem do mal, sem palavras, sem vergonha, sem carácter, havendo homens que, honrados (?) na vida intima, descambam na vida publica em pantomineiros e sevandijas, capazes de toda a veniaga e toda a infâmia, da mentira a falsificação, da violência ao roubo, donde provém que na politica portuguesa sucedam, entre a indiferença geral, escândalos monstruosos, absolutamente inverosímeis no Limoeiro (...)
Um poder legislativo, esfregão de cozinha do executivo; este criado de quarto do moderador; e este, finalmente, tornado absoluto pela abdicação unânime do pais, e exercido ao acaso da herança, pelo primeiro que sai dum ventre, como da roda duma lotaria.
A justiça ao arbítrio da Politica, torcendo-lhe a vara ao ponto de fazer dela saca rolhas; Dois partidos (...), sem ideias, sem planos, sem convicções, incapazes (...) vivendo ambos do mesmo utilitarismo céptico e pervertido, análogos nas palavras, idênticos nos actos, iguais um ao outro como duas metades do mesmo zero, e não se amalgando e fundindo, apesar disso, pela razão que alguém deu no parlamento, de não caberem todos duma vez na mesma sala de jantar (...)"
Guerra Junqueiro, in "Pátria", escrito em 1896

Ricardo Ramalho disse...

Sim, mais do mesmo não é verdade? ;)