terça-feira, dezembro 06, 2005

Trivialidades

Ontem, depois de jantar, sentei-me no sofá da sala pronto para ver o primeiro debate sobre as eleições presidenciais. Ainda por cima com os candidatos que mais intenções têm tido nas sondagens, o que me motivava ainda mais para ver o dito debate.

O debate lá começou com o apresentador a dizer quais eram as regras do jogo, etc, etc. Depois começaram a falar... E, muito sinceramente, não saíram das trivialidades, do discurso do "ele é que fez mal, e eu sou o melhor", ou do discurso do "eu sou diferente porque vejo diferente". Já vi conversas políticas mais interessantes à mesa de um café sinceramente... É minha intenção votar no Manuel Alegre, porque simplesmente não posso nem com o Cavaco nem com o Soares... Mas mesmo o Manuel Alegre ontem estava "triste".

Não gostei do debate... Faltou ali qualquer coisa... Demasiado sóbrio e sem grande sumo para extrair. É pena...

9 comentários:

Elias disse...

Sondagem pós debate:

27 % para o cavaco
15 % para o Alegre
60 % não viu ,não quer saber

Isto diz algo sobre o panorama politico português!!!

Ariadne disse...

Então, então ?!?!

...ainda há o candidato Vieira !

Da maneira que a coisa vai, atrevo-me a dizer que é o gajo que me inspira mais confiança... hehehe...


BB

Vendetta disse...

Eu pertenço a faixa etária dos 60% porque os debates não vão esclarecer-me rigorosamente nada. A minha opinião já está formada e por isso ando a perder o meu tempo com outras trivialidades ;)

zepires disse...

Eu não pertenço à classe dos 60%. A mim interessa-me sinceramente os debates políticos, porque vão-se descobrindo com eles as "carecas" dos nossos futuros líderes.

Também tenho a minha opinião formada, sobre a minha opção de voto, mas é sempre bom ver as respostas dos candidatos a questões concretas.

Quanto ao modelo usado, por um lado é menos aceso (não há propriamente um frente-a-frente, é mais um frente-a-jornalistas), mas por outro lado, não se perde tempo a discutir o "sexo dos anjos" e vai-se mais directo aos assuntos que interessam.

Gattaparda disse...

Faltou combatividade, garra política, vontade de fazer e não só de ser!
Faltou tudo o que falta a este país há séculos!
Eu vi bocados e mesmo assim como rosnei muito só consegui ver e ouvir alguma coisa no intervalo das minhas rosnadelas...
Ai a minha costela galega!

joana disse...

Num debate para eleições presidenciais nenhum candidato a presidente pode prometer fazer nada em concreto...porque não lhe compete fazer muita coisa.

Um presidente acaba sempre por ser eleito por outras razões,como sejam a simpatia, a postura, confiança que transmite aos eleitores, e pela opinião que os próprios eleitores têm dos partidos que estes representam (ou não)e das personalidades em causa.

Também vi este debate aos bocadinhos...por muito "mau" que seja um debate, sempre se retira algo, quanto mais não seja, o que é "mau"!

Parafuso disse...

Ontem não vi o debate porque não tive em casa. Mas nos tempos que correm eu tb pertenço a faixa etária dos 60% porque os debates não vão esclarecer-me rigorosamente nada.

E porque não me esclarecem em nada?
Porque já antes de começar o debate existem regras combinadas entre os candidatos e quando digo regras digo acordo de cavalheiros. Ou seja, o problema dos debates é que normalmente os intervenientes "abafam-se" mutuamente. Não há vontade ou iniciativa, tudo por uma questão de postura, simpatia que é necessário para ocupar o lugar de PR.

Hoje, a entrada dos candidatos nas vidas dos eleitores é mediada pelos tubos catódicos de uma forma menos ritualizada e mais contínua. Um debate, mesmo que aparentemente crucial como o de ontem, é apenas mais uma instância de avaliação, lugar mais previsível que emocionante.
Os nossos cidadãos e a propria democracia exige o debate de ideias e o respeito pela diferença e pelo próximo, mas nem ideias, e nos últimos anos, nem respeito pelos adversários entrando nos ataques pessoais sobretudo em tudo o que interessa excepto discussão de ideias e medidas necessárias.

Para finalizar, se podesse ser EU o entrevistador, fazia as seguintes perguntas aos respectivos candidatos:

Mário Soares: O que anda aqui a fazer? Não tem casa (fundação)?!
Manuel Alegre: Quando é que resolve o problema com o Socrátes e a ter mais confiança no seu País?!
Cavaco Silva: Você não quer voltar atrás e ficar com a pasta das finanças, nós(povo) deixamos partir os dedos aos evasores fiscais?!
Jeronimo Sousa: Quando é que vai desistir? A uma semana ou na vespera das eleições?
Francisco Lousã: Aquela carrinha que usa na sua campanha de candidato a PR, é tb usada no Casal Ventoso para distribuir metadona?!

Azrael Angel disse...

Debates Politicos?
Promessas?
Roupa Suja?

prefiro ir bater à punheta prá casa de banho!

Ricardo Ramalho disse...

Err... Quem fala assim não é gago...