segunda-feira, novembro 14, 2005

A Globalização... Tão boa que ela é!

A transformação de matéria-prima em alto mar não é um exclusivo da indústria do mobiliário. Além dos por demais conhecidos navios-fábrica de peixe, que capturam e congelam o pescado, em Maio deste ano soube-se que uma empresa norte-americana iniciou o fabrico de software a bordo. O projecto, denominado SeaCode, é simples: um navio com 600 informáticos da Índia a bordo, ancorado a mais de três milhas náuticas da costa da Califórnia, produz software para ser vendido nos Estados Unidos da América. Deste modo, defendem os promotores da iniciativa, cada 90 cêntimos americanos (77 cêntimos de euro) dos seus clientes deixa de ir para destinos como a China ou a Índia. O facto de estar em águas internacionais evita estar debaixo da alçada da legislação laboral norte-americana, com a inerente burocracia em relação aos emigrantes. O projecto levantou bastante polémica na ocasião, chegando a ser apelidado de "barco de escravos", devido à falta de legislação apropriada para estes casos, em que há navios a laborar em águas internacionais. As empresas, essas só vêm vantagens, uma das quais o maior controlo sobre a produção, evitando que os gestores tenham de fazer longas viagens aos países onde se situam as unidades de produção.
Segundo o mail que um amigo meu me enviou, isto vinha no Público de hoje... Ainda não tive pachorra para ir procurar a notícia mas o site deles (seacode) de facto existe e anuncia o que está escrito na notícia... como se fosse the next big thing!

Eles assim podem explorar à vontade, e como estão fora da jurisdição de qualquer estado, podem fazer o que bem lhes apetecer a quem lá estiver... Aquela gente que lá está, estará decerto porque quer, mas mesmo assim não deixa de me meter alguma impressão alguém aproveitar-se desta questão, e ainda anunciarem-se no site deles como salvadores da pátria ou algo assim. Bringing back Dollars to America...

Globalização... É boa ou não será bem assim?...

3 comentários:

Parafuso disse...

A globalização não é uma coisa a respeito da qual faça sentido ser a favor ou contra.

A globalização não é uma opção de sociedade, é inevitável, é imposta pela própria evolução de mundo, precisamos ter uma visão um pouco mais ampliada para poder entendê-la.

Poucos conseguem perceber as influências da globalização em todos os níveis de nossas vidas: pessoal, familiar, na cidade/estado ou país. Neste novo contexto sócio-econômico-cultural, a informação passa a ter um papel central, constituindo-se actualmente no maior poder de inter-relação existente, tendo inclusive, suplantado o poder econômico e tecnológico.

O processo de globalização para o desenvolvimento não prescinde da avaliação ética, da aceitação cultural, porque este é o critério último mais profundo e sancionador que ditará o seu sucesso.

Azrael Angel disse...

ja sabes se a ideia pegar por aqui .. qq dia tás a trabalhar num barquinho a remos ali pros lados da ribeira das marianas ....
LOL

lulinha disse...

Isso sinceramente não me parece globalização, mais o aproveitamento de uma ausência de legislação... antes ao tráfico de escravos também não se chamava globalização... é triste, principalmente pela maneira como é apresentado - Bringing back Dollars to America...
É revoltante...