quinta-feira, janeiro 05, 2006

A voz estúpida

Odeio esta voz! Aquela voz do yeah... right..., aquela voz que não faz nada para ajudar mas só ajuda a desajudar. Aquela voz que só valoriza o que não é para valorizar e desvaloriza tudo o resto.

É sempre aquela que salta à vista e diz, de leve ao ouvido: "não és capaz! desiste, porque não consegues fazer isso". Isto depois, de andarmos a bradar aos céus que tem que dar!! Mas está lá sempre a voz estúpida! Que raio! Porque raio a voz estúpida simplesmente não morre? Porque raio essa voz estúpida não tem um rosto para a esganar? Quero esganá-la, porra! Posso? Será que posso? Mais do que poder... Devo!

Morre cabra!

12 comentários:

Joaquin Gomez aka "Vendetta" disse...

Não deixes que essa cabra se ria de ti…
Não deixes que essa cabra te domine…
Ignora-a. Caga para ela.
Vomita-a para o vento…
Faz o que tiveres que fazer. Força.
Levanta a cabeça.
Segue em frente.
A estupidez da cabra, com a tua indiferença, pode trazer-lhe lucidez.
Se caíres, não desanimes.
Levanta-te, limpa-te, aprende e segue em frente.
Não deixes que essa maldita voz, essa cabra te desajude…
Só assim essa estúpida aprenderá um dia começar a ajudar-te.

Parafuso disse...

Caga para essa cabra e vence-a de uma vez !!!

Azrael Angel disse...

hummm ...
ainda guerreias com demónios interiores...

neste caso guerreias com a tua cabra...

bem, o que te posso dizer, é que ela nunca irá morrer, pois quando tu a expulsares, que irás expulsar, mais cedo ou mais tarde, (por nem ela te vai aturar muito tempo! ;) ), irá migrar para pessoas proximas, existirá sempre esse factor cabra presente na vida, o que tem de ser feito, é simplesmente pegar-lhe nos cornos, ou na barbicha! saber que está lá e que existe!

sun tzu, dizia:
" guarda os teus amigos perto do coração, mas guarda os teus inimigos ainda mais perto "

e ela é tua inimiga...

Fafa disse...

"cabra"... ou talvez nem tanto! depende da importância que tu lhe deres!!! :p
no fundo, é apenas a tua insegurança a falar mais alto... a gritar... a mostrar que é mais forte do que tu!
but... who cares? só tens que lhe demonstrar que afinal QUEM MANDA AQUI ÉS TU e mais nada. :)
tens que demonstrar que és capaz, não importa o que diga a voz irritante a que chamas "cabra"!!! só tens de lhe provar (à "cabra") de que ÉS CAPAZ e a gaja acaba por se calar!
fácil :)

Anónimo disse...

depois de ler os comentãrios dos teus amigos, sõ me resta dizer :
se os analisares bem, primeiro- vais perceber que são mesmo teus amigos. Segundo - eles merecem ter um amigo mais confiante e seguro.
Manda a cabra á merda, e solta-te,corre pela rua aos gritos, diz mais vezes ás pessoas que gostas delas, e agradece todos os dias os amigos que tens e que já mandaram a cabra á merda.

maria disse...

Cabra não!...
Tens que aprender a olhar para aquilo que julgas mau, pelo seu lado positivo. Sim, porque por muito mau que seja, tem sempre um aspecto positivo.
Neste caso, a Voz da Consciência! Aquela que nos faz pensar antes de agir, que nos alerta fazendo-nos sentir receio, que nem sempre nos pode dizer aquilo que gostarias de ouvir, enfim, que ao longo de toda a nossa vida nos ensina a crescer.
Não queiras matar a Voz, porque no dia em que o fizeres estarás morto também.
Usando as palavras do teu amigo Azrael e transformando-as um pouco, "esta que julgas tua inimiga, guarda-a bem perto do coração". :D

Lala disse...

Podes, podes sempre tudo. Se deves, tenho dúvidas. Essa voz é a que faz por em causa tudo o que parece ordenado. E se não houver espaço para a desordem o sonho tem pouco lugar.
Na vida de cada um há aquilo que temos e aquilo que gostariamos de ter. Aquilo que somos e aquilo que gostariamos de ser. Aquilo que amamos e aquilo que gostariamos de amar. Esse se, do que gostariamos que fosse, mas não é, faz-nos dar mais aquele passo que não nos julgavamos capazes. O passo incerto. O passo que conduz ao abismo ou às nuvens. Mas mesmo as nuvens sacodem-nos depois de lá chegarmos.
O passo incerto, instigado pela voz que não se cala, leva-nos sempre ao fundo das nossas lágrimas.
Mesmo assim, é o passo que justifica todos os outros.
Até chegar o dia em que desistir é o próximo passo. Quando a voz que odiamos nos grita "Desiste, tu és capaz". De todos os passos esse é o que se me afigura mais duro, porque de entre todos é o unico que não comporta incerteza. Damos o passo e sabemos que vamos cair com toda a força no chão, numa dor que parece não ter fim. Rasgamos o sonho, matamos a ilusão e ficamos ali, especados, a olhar.
Nesse momento a voz cala-se, porque dentro de nós alguma coisa morreu.
Então é o silêncio que nos oprime e chegamos a desejar que a voz grite novamente. Que nos empurre, que nos faça mover pela raiva, pela paixão descontrolada de a assassinar. E depois habituamo-nos. Só que nessa altura,quando estamos calmos sem a voz que odiámos, somos mais tristes que nunca, sem saber.
Secamos as lágrimas e quando queremos chorar já não sabemos. De tudo o que me fez falta entre todos os passos que dei, faz-me falta sobretudo saber chorar. Quero chorar e não consigo. desaprendi como se faz. E nem sequer a cabra da voz me grita que sou capaz.
E como eu queria ouvi-la agora. Como queria que me empurrasse no passo incerto, para o fundo do abismo em que vive a minha dor...

Anónimo disse...

@ Lala

Quando nos tornamos insensíveis, como um meio de autodefesa...
Quando tentamos ser e mostrar o que não somos...
A voz zanga-se profundamente connosco e cala-se para nos castigar. O desprezo, não será a melhor forma de castigo?

Desprezaste o sentimentos...
Secou-se a fonte das lágrimas!
Não há pior dor que o chorar seco. :(

Lala disse...

não se trata de indensibilidade, antes fosse, porque doia muito menos. Os sentimentos vivem dentro de mim, mesmo que não os deixe transborbar. Foram eles que secaram as lágrimas, não a sua ausÊncia mas um confronto permanente. Não choro seco, não choro simplesmente, porque as lágrimas desaprenderam o caminho para o exterior. Navegam cá dentro, numa torrente incerta e feroz. Um dia a barragem rebenta, a conhcha quebra e tudo o que senti, tudo o que sinto, vai jorrar, vai escorrer e transformar-se em vapor. Nada em mim secou, pelo contrário, há um mar de lágrimas no qual tento nadar, encontrar a margem, ou então render-me à corrente e deixar-me afogar. Se me afogar, talvez seja feliz, porque de tudo o que perder, perco-me nos sentimentos, que são tudo o que vale a pena.
Quanto ao castigo. Não há pior castigo do que o que infligimos a nós próprios, sobretudo quando o sabemos merecido.
Não julgues demasiado depressa. Quem é rapido a julgar desconhece os argumentos e tu, nada sabes, da voz que se zangou comigo.

Anónimo disse...

@ Lala
Agora sim, afirmaste a tua insensibilidade quando não conseguiste entender nas minhas palavras o que te tentei transmitir.
A tua justificação é muito contraditória e bastante confusa.
Reconheço-te o dom da escrita, mas pôr em prática o que se aprende na teoria, é uma arte bem mais complexa.

Não costumo julgar quem quer que seja, apenas és mais um dos casos igual a ouitros tantos que já me passaram pelas mãos.
Sobre ti sei mais do que possas pensar. Basta o teu blog estar aqui recomendado.

E agora, só porque o Ricardo me pediu vou identificar-me: chamo-me Maria, tenho 46 anos e sou psicóloga.

Lala disse...

Esta podia ate ter sido uma conversa interessante, nao fosse o teu ultimo comment. Primeiro, és presunçosa. Depois, as pessoas não são casos e muito menos "mais um caso" e por ultimo, uma pessoa formada em psicologia que acusa os outros (duas vezes) de insensibilidade, provavelmente devia voltar à escola. E olha, já agora, sugiro que não tentes analisar-me. Sabes porquê? Porque NAO DEIXO pessoas como tu entrarem na minha concha.
Para falar do que os outros sentem, não basta ser, é preciso merecer, percebeste?

maria disse...

@ Lala
1º. Para que uma conversa seja interessante, é preciso haver pelo menos duas pessoas interessantes, o que para mim de todo não és.
2º. Sei quem sou e quem me conhece também. "Presunção e água benta, cada um toma a que quer", quando quer e para quem quer.
3º."mais um caso" é um termo profissional também muito usado pelos médicos, nunca com o sentido perverso que lhe quiseste incutir.
4º. Os psicólogos devem ser sinceros e não esconder a verdade. Se esta é insensibilidade, porque não afirmar as vezes que forem necessárias?
Não olhes para insensibilidade no sentido estrito da palavra...
5º. Quanto ao voltar à escola, há muita forma de o fazer consoante os casos. No meu, formação contínua.
Agora tu deverias rever a aprendizagem da educação, pois tentar ofender não fica nada bem.
6º. Lamento informar-te que já te analisei muito mais do que tu possas imaginar. Um dos meus hobbies é precisamente analisar os blogs para um estudo que tenho vindo a fazer. Gosto de entender o que vai na cabeça de cada um.
Na tua concha eu entro sempre que quiser e chego onde tu, possivelmente, nunca chegaste, quer tu deixes ou não, porque eu não preciso de pedir licença. Aceder a um blog é livre e tu és demasiado transparente, para mim.
7º. Quanto ao merecer, acho que apenas Deus sabe aquilo que cada um merece e a seu tempo o terá.

Realmente a única coisa que tornou este esclarecimento interessante, foi ser um monólogo.
Dou-te de conselho não correres na vida ao lado de um velho. PERDES O PASSO!